Dias úteis e dias inúteis *- Boletim 119

Os velhos são inúteis. Essa frase choca a todos, choca a mim profundamente, mas me fez refletir sobre o conceito da utilidade e da inutilidade. Podemos ter palavras mais suaves, ao dizer que os idosos devem praticar a inutilidade, parece que dói menos do que dizer “você é um velho inútil”. À medida que envelhecemos aumenta o grau inutilidade, pois as limitações físicas impedem muitas atividades, e essa é uma lei biológica inexorável. Na adolescência, como jovens e como adultos, queremos e podemos ser úteis, a nós mesmos e aos outros, e isso representa muito tempo e energia, dá um bocado de trabalho. Na medida em que envelhecemos, podemos nos dar o direito de praticarmos a inutilidade. E isso pode ser muito bom.

Para quem sempre trabalhou e buscou ser útil, como é o meu caso, praticar a inutilidade não é fácil. Eu sempre fui uma pessoa voltada a fazer coisas, do tipo eu sou aquilo que faço. Portanto, se não faço, eu não sou! Essa é a conclusão lógica. Refletindo com mais profundidade, verifiquei que esse é um referencial falso: eu posso não fazer e mesmo assim ser. Eu continuo a ter o meu valor, não só pelas muitas coisas que já fiz ao longo da vida, mas também pelo que eu represento hoje para mim mesmo e para os outros.

Quero explorar o ser inútil. No calendário, de segunda a sexta feira, dizemos que esses são os “dias úteis”. E o que serão o sábado, o domingo e os feriados? Se temos dias úteis, por contraposição, teremos dias inúteis. São dias em que não se produz, dias nos quais não se exercem atividades remuneradas, dias em que não se agrega valor econômico (não me refiro às pessoas que usualmente trabalham aos sábados e domingos, que terão outros dias inúteis). Se explorarmos um pouco mais, veremos que exatamente os dias mais desejados por todos são esses dias não úteis, ou inúteis: o sábado, o domingo e o feriado. A maior parte das pessoas tem uma enorme expectativa pela 6ª feira à noite, quando se abre a perspectiva do final de semana, os mais jovens para uma balada, as famílias para uma pequena viagem para a praia ou montanha, ou simplesmente para um hobby, fazer comida, encontrar amigos, praticar um esporte, organizar uma festa, um almoço, um jantar, o que seja.

Acho que se pudermos enxergar a idade adulta, a idade de ser velho, como os sábados e os domingos da vida, isso passa a dar uma dimensão diferente ao termo inutilidade. Nesses sábados e domingos da vida daremos menos atenção aos bens materiais e às opiniões dos outros, poderemos ser mais autênticos e dizermos o que pensamos, podemos ir dormir quando nos sentirmos cansados, podemos fazer um monte de coisas inúteis como jogar cartas, fazer desenhos, escrever poesias ou bater um papo na praça da cidade.

Esse pensamento me ajudou a entender que biologicamente é a hora de tirar o pé do acelerador, de fazer menos coisas, de ser menos útil. Acho que isso é uma dádiva, uma forma de aproveitarmos o tempo que ainda nos resta com qualidade de vida. Se você, no teu período de inutilidade, puder ter uma saúde razoavelmente boa, mesmo com as limitações que a idade traz, acho que dá para curtir muito e principalmente ter dentro de você um sentido de alegria. Essa é uma grande lição que aprendi: vou valorizar o meu sentido de inutilidade. A sociedade nos chama para que sejamos sempre pessoas úteis, produtivas e contribuintes. É claro que podemos nos dedicar a algumas utilidades que nos deem prazer, mas que deixam de ser obrigações.

Você está no sábado, no domingo e no feriado de tua vida. Não se esqueça disso.

Gustavo G. Boog
Coach e Diretor do Sistema Boog de Consultoria
www.boog.com.br – gustavo@boog.com.br
(*) Texto inspirado em palestra do Pe. Fábio de Melo

5 Respostas para“Dias úteis e dias inúteis *- Boletim 119”

  1. Fátima Nunes diz:

    Todos os filhos de aposentados deveriam ler este artigo.

  2. adao silva diz:

    assisti um vídeo onde o padre fabio de melo chama os idosos de inúteis. gostaria de saber o que o papa Francisco pensa a respeito?

  3. Clube dos Desaposentados diz:

    Olá Adão, acredito que há algum mal entendido, pois ele não pode ter afirmado isso. Mas não conheço o vídeo. O autor do artigo assistiu uma palestra dele e veja que o entendimento foi outro. Voce mesmo pode tirar a dúvida com o autor do artigo. Abs

  4. jader saraiva diz:

    Lamento que um comunicador espiritual tenha esse conceito sobre a velhice. Dizer que ser velho é ser INUTIL é o mesmo que tirar os creditos de muitos que fizeram e fazem, as obras que benefeciam a humanidade. No conceito desse padre que diz que todo velho é inutil, certamente ele tambem esta dizendo que os papas tambem são. Creio que a inutilidade não tem idade, o que faz a inutilidade é a falta de oportunidade para se tornar util e não a velhice. Evidentemente um velho não tem o vigor fisico de um jovem, porem o trabalho não é necessariamente praticado apenas com força fisica. O trabalho intelectual é o alicerce para o desenvolvimento de todos os projetos e não precisa de “força” para desenvolve-los. Caro padre, seja util nas suas opiniões e não faça deboche com a velhice tratando o tema como se fosse um show de humor…Ridiculo!!!

  5. Olá Adão!
    Acredito em um mal entendido. Assiti o vídeo e gostei. Assista de novo, um outro dia, um outro olhar….
    E o texto acima é bem isso a inutilidade. Abraços.


Fatal error: Uncaught Error: Call to undefined function ereg() in /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-content/themes/probama/comments.php:80 Stack trace: #0 /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-includes/comment-template.php(1535): require() #1 /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-content/themes/probama/single.php(20): comments_template() #2 /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-includes/template-loader.php(106): include('/var/www/vhosts...') #3 /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-blog-header.php(19): require_once('/var/www/vhosts...') #4 /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/index.php(17): require('/var/www/vhosts...') #5 {main} thrown in /var/www/vhosts/1agirardi.com.br/blog/wp-content/themes/probama/comments.php on line 80